Programa de Pós-Graduação em
Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente
Instituto de Botânica de São Paulo

Liliana Ferreira Delgado

Liliana Ferreira Delgado, aluna de Pós-Graduação do Instituto de Botânica da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo,
do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente, defendeu no dia 20 de abril de 2006
sua dissertação de mestrado com o título:
"Tolerância à dessecação em sementes de espécies brasileiras de Eugenia".

 A banca examinadora foi composta pelo seu orientador Dr Claudio José Barbedo (Instituto de Botânica,
pelo Dr João Nakagawa (UNESP- Botucatu) e Dr José Marcos Barbosa (Instituto de Botânica).

Liliana

Dr. João Nakagawa, Dr. José Marcos Barbosa, Liliana F. Delgado e Dr. Claudio José Barbedo

Tolerância à dessecação em sementes de espécies brasileiras de Eugenia
RESUMO


O trabalho avaliou a manutenção da germinabilidade de sementes de seis espécies brasileiras de Eugenia (E. brasiliensis, E cerasiflora, E. involucrata, E. pyriformis, E. umbelliflora e E. uniflora), após secagem até que atingissem 10% de água, sendo realizada sob duascondições distintas. Com o objetivo de verificar possíveis danos por embebição, após cada período de secagem as sementes foram submetidas, além da embebição em água pura, à reidratação lenta e controlada por meio da embebição em solução de polietileno glicol (-4MPa). As sementes também foram avaliadas quanto ao seu potencial hídrico, para verificação daenergia da água em todos os níveis de secagem. Os resultados observados indicaram uma diminuição na germinação e no vigor das sementes com a progressão da secagem, independente do método.

Há diferenças nos gradientes de tolerância dessecação e o potencial hídrico em relação ao teor de água de embriões pode se constituir em um referencial confiável da germinação das espécies de Eugenia estudadas.sementes também foram avaliadas quanto ao seu potencial hídrico, para verificação daenergia da água em todos os níveis de secagem. Os resultados observados indicaram uma diminuição na germinação e no vigor das sementes com a progressão da secagem, independente do método. Há diferenças nos gradientes de tolerância dessecação e o potencial hídrico em relação ao teor de água de embriões pode se constituir em um referencial confiável da germinação das espécies de Eugenia estudadas.

Liliana 1

Aspecto de frutos maduros de Eugenia brasiliensis Lam. do biótipo amarelo (A) e do biótipo roxo (B),
E. involucrata DC. (C), E. uniflora L. (D), E. pyriformis Camb. (E),
Eugenia cerasiflora Miq. (F) e E. umbelliflora Berg. (G).